quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A Vil violência!


A sociedade teme, se isola, se defende e não entende.
De onde vem tanta violência?
-         É preciso tomar providência. Dizem.
-         As autoridades tem que fazer alguma coisa!
-         Alguma coisa! – Pode ser qualquer coisa.
E qualquer coisa pode resultar em coisa alguma.
Tudo que vejo é que a humanidade perde a base do que é humanidade.
Vivemos em sociedade, mas o que é sociedade?
Num bendito dicionário eu encontro um estranho significado: “conjunto de pessoas que vivem numa mesma esfera”. -   Numa mesma esfera!!! É deve ser por causa da força gravitacional, sim, porque cada um é cada um, isto é Democracia, ou seja: “Todo poder emana do povo e por ele será exercido”. E o que é exercido?
-     Ora seja assim...
-     Você tem que ser assim
-     Ninguém mais pensa assim...
-     Você não pode pensar assim...
-     Todo mundo é assim, porque eu não posso ser...
-     Sendo assim, ninguém mais pensa em ser, só em assim’s.
A todo o momento somos bombardeados por idéias e coações alheias ao nosso convívio. O que dizer para um jovem que sente a necessidade de consumo de uma cerveja, ou uma adolescente que sente a necessidade de rebolar e exibir o “Tcham", (não estou falando de moral, até mesmo porque eu não acredito nesta palavra. Moral quer dizer: “obrigações e deveres do cidadão para com seus iguais” como se todos soubessem o que é obrigação, dever e igualdade, dentro de uma sociedade que diz: “- O negócio é levar vantagem em tudo”; “- Se eu fosse político, eu ia  roubá, todos rouba”. Qualquer cidadão estando em circunstâncias favoráveis para agir de tal forma não se sentiria  obrigado á ter a moral de roubar dentro de um dever insano de se  igualar a qualquer outra pessoa.) o melhor é dizer que isto é desperdício de força vital para coisas tão distantes de nós quanto à luz do Sol de ontem. Mas o que há realmente de tão errado com o mundo! Afinal de contas só estamos aproveitando a vida!
Para muitos aproveitar a vida não significa saber o que é realmente viver, basta copiar os modelos que estão ai, e não importa o que isto possa vir a ser, seja prostituir, enganar, corromper, e  corrupção não é apenas uma ação praticada na política, ela esta presente na ação de ofender, de tirar o barato, na agressão verbal que damos tão pouca atenção e cometemos a quase todo momento uns com outros e encaramos como normal tal ação, sem perceber que cada feridinha aberta vem gerando uma mácula em nossas almas, nos tornando insensíveis a tal ponto que só sabemos dizer aquilo que há muito já foi dito, e sem conceito algum, encaramos isso como sendo um conceito e nos acomodamos em manter a vida dentro desses, sem se guiar por pensamentos próprios, deixando o hábito tomar seu lugar até que tal ferida seja aberta pela ação de outrem e não nos damos conta que esta ação poderia ser praticada por nós mesmos, como quando nos acontece algo que consideramos injusto pedimos ajuda da justiça para intervir no que aconteceu, mas quando acontece algo onde se considera estar levando alguma vantagem sempre agimos sozinho.
Um bom exemplo disto é quando alguém tem sua televisão roubada, esta pessoa vê isto como uma injustiça, mas quando alguém oferece à outra pessoa uma televisão por um preço bem inferior ao seu valor, esta pessoa se vê em vantagem e compra o aparelho e ainda tenta se justificar dizendo: - Se eu não compro, vem outro e compra! Ora, a justiça não é via de mão única, ela tem sentido e direção. A direção é sempre a retidão e o sentido está em usar todos os sentidos para chegar ao censo comum. Este por sua vez nunca nos deixa vazio, quando bem equilibrado e sendo fiel aos nossos verdadeiros objetivos, acrescentado o bem humano chegamos ao senso comum de humanidade que há muito não se vê mais nas pessoas que de tão preocupadas com suas ambições não conseguem enxergar a sua vil violência, e acabam aceitando o mundo a sua volta encarando os fatos como sendo rotina diária sem perceber que o mal esta crescendo a sua volta e chegando a germinar em vossos corações, e acaba florescendo na forma verbal. Preocupando-se apenas em isolar da sociedade aqueles que frutificam a violência em suas ações, e numa tentativa insana de sair do vazio deixado pela avareza, todos estão agindo como ladrões, roubando o amor verdadeiro que possa vir há existir em cada um de nós e não adiantará nada pedir auxilio as leis e aceitar que o normal tome o lugar da consciência; pois sempre haverá aqueles que não se contentarão com o normal aflorando a violência que em nossa mente aceitamos, mas gritamos: - Justiça! Justiça! Quando esta violência se torna real.
Precisamos parar de agir como crianças que ficam muito zangadas quando a brincadeira que começamos acaba nos machucando, e começarmos a agir com o verdadeiro sentido da palavra senso (resolver problemas conforme o comum e não somente para si próprio ) para não só termos o direito, mas também darmos o direito a todos de preencher qualquer vazio que possa vir a existir com aquilo que não é vil, mas será fácil ter quando amarmos verdadeiramente uns aos outros:
A paz no interior do nosso eu, e no exterior por todos nós.
PS: -   Eu sei que é roubar e roubam, mas ainda tem mais este assim...(É que as pessoas falam assim) 

Comente com o Facebook: